Foco na alimentação saudável: conheça os benefícios de consumir hortaliças brássicas

O que são hortaliças brássicas? - Blog do Pão

Elas, normalmente, possuem um formato de uma cruz em sua superfície, cor esverdeada e nutrientes similares em sua composição

Que tal aproveitar a semana para cuidar da alimentação? O primeiro passo pode ser incluir hortaliças brássicas, ou vegetais crucíferos, em sua dieta alimentar. Elas, normalmente, possuem um formato de uma cruz em sua superfície, cor esverdeada e nutrientes similares em sua composição. Entre elas estão: brócolis, couve, agrião, rúcula e repolho. 

De acordo com os profissionais de nutrição do portal Taeq, as hortaliças brássicas são ricas em sulforafano, substância que ajuda a prevenir doenças como câncer. Além disso, são ricas em antioxidantes, minerais e vitaminas, que atuam no bom funcionamento do organismo e ainda retardam o envelhecimento das células. 

A presença das fibras na composição destas hortaliças também ajudam a  diminuir os níveis de açúcar no sangue, a normalizar o colesterol, a regular o sistema digestivo e aumentar a sensação de saciedade. 

Ainda segundo o portal Taeq, é importante consumir as hortaliças brássicas com moderação, pois, mesmo trazendo inúmeros benefícios para a saúde, o excesso pode desencadear em problemas na tireoide. As hortaliças brássicas possuem o isotiocianato em sua composição, um composto químico capaz de inibir a função da tireoide e gerar problemas endocrinológicos como o bócio (inchaço da glândula da garganta).

(Fonte: iBahia)


Estudo indica que 8 minutos de exercício por dia ajuda a reduzir a pressão arterial

 

Recente estudo publicado na revista internacional Medicine & Science in Sports & Exercise demonstrou que uma única sessão de exercício isométrico (estático), por apenas oito minutos, é capaz de reduzir os valores pressóricos de pacientes hipertensos por, no mínimo, uma hora após a atividade.

A inovação foi que o autor, Rafael Vieira Olher, utilizou apenas dois aparelhos para que o treinamento fosse realizado: um Leg Press (para membros inferiores) e um supino (membros superiores). Isso favorece a uso em pequenos espaços e a baixo custo, com boa aplicabilidade em clínicas, hospitais, instituições de longe permanência, condomínios e consultórios médicos.

O professor dr. Milton Rocha de Moraes, coordenador do grupo de estudos em Treinamento de Força na Saúde e Reabilitação, explica que este é o primeiro estudo a utilizar uma grande massa muscular na execução do exercício estático e com equipamentos populares de academia para verificar a hipotensão pós-exercício. “Os demais estudos utilizaram um dinamômetro de preensão palmar [pequena massa muscular] ou equipamentos caros de laboratórios”, afirma o especialista.

Mesmo trabalhando com grandes grupos musculares, o exercício isométrico com intensidade moderada foi seguro. Para verificar a segurança cardiovascular, usaram o método oscilométrico de medida de pressão e frequência cardíaca, com um equipamento validado, capaz de detectar arritmia cardíaca, o que traz maior segurança para trabalhar com populações de cardiopatas.

Os autores destacam a importância da prática de exercícios de força ou exercícios resistidos, como a popularmente conhecida musculação ou ginástica com pesos, para reduzir os riscos de doenças cardiovasculares, aumentar a força muscular e a sobrevida dos pacientes.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), as doenças cardiovasculares são as principais causas de morte no mundo. O exercício físico e a dieta balanceada são medidas não-farmacológicas recomendadas no controle da hipertensão arterial e a principal linha de frente para a maioria dos pacientes. O pesquisador destaca que exercício de força isométrica com intensidade moderada também pode ser usado como adjuvante no controle da pressão alta e oferece vantagem para pacientes com problemas articulares que sentem dor ao fazer o movimento, como, por exemplo, idosos hipertensos.

Contudo, o professor alerta antes da prática de qualquer exercício pacientes hipertensos devem fazer uma avaliação com o médico cardiologista. Sempre procurar profissionais de educação física para adequada prescrição do exercício físico.

(Fonte: Folha Vitória)


Maracujá: os benefícios vão além da ação tranquilizante

por Thais Szegö | Foto: Alex Silva
 
Além do sabor azedo, que cai bem no clima tropical, o maracujá é recheado de nutrientes, tem uma forte ação antioxidante e pouquíssimas calorias. “O maracujá é rico em vitaminas do complexo B, cálcio, ferro, fósforo, sódio e potássio”, enumera a nutricionista "Ele conta com bastante vitamina A e C e muita fibra solúvel”, acrescenta.
 

100% aproveitável

E não é só a polpa que merece atenção. Um estudo realizado na Universidade Federal do Rio de Janeiro mostra que a casca do maracujá evita os picos de insulina, muito perigosos para os diabéticos, combate o mau colesterol e ainda ajuda a emagrecer. Nas sementes, por sua vez, pode ser encontrado um óleo com boa quantidade de ácidos graxos, muito apropriado para uso na cozinha ou até em cosméticos, graças à sua ação emoliente e antioxidante. E as folhas do maracujazeiro oferecem igualmente benefícios. Nelas fica a maior parte dos ativos por trás da ação tranquilizante.
 
 

Ele é mesmo calmante?

Sim. Ele contém alcaloides e flavonoides, substâncias que agem no sistema nervoso central e atuam como tranquilizantes, analgésicos e relaxantes musculares. “Por isso ajudam a combater a ansiedade, a depressão e os distúrbios do sono”. “Mas não é indicado usar as folhas diretamente para fazer chá em casa, já que elas têm compostos tóxicos".
 

Como aproveitá-lo

Folhas: com elas são feitos medicamentos e chás. Mesmo quem não aprecia o gosto pode tirar proveito de sua ação calmante usando a infusão como base de sucos.
 
Fruto: é rico em nutrientes e seu suco é ingrediente precioso em receitas como mousses, bolos, molhos para salada, vinagretes e até farofas.
 
Casca: ela é rica em pectina, um tipo de fibra que arrasta gorduras para fora do organismo. É consumida na forma de farinha, misturada em sucos e iogurtes.
 
Sementes: trituradas, entram na fabricação de esfoliantes. Já o óleo extraído delas serve para temperar saladas.
 
(Fonte: Adaptada/Abril Saúde)
 

Matcha: Conheça os Benefícios

A imagem pode conter: comida


#DicadeQuarta

O matchá é extraído da mesma erva que o chá verde, a Camellia Sinensis. No entanto, ele é elaborado a partir de folhas jovens e tem seu cultivo protegido dos raios solares. É comprovadamente mais eficiente na perda de peso por causa das altas concentrações de cafeína, teanina e catequinas. Além disso, é rico em clorofila que, dentre outros benefícios, atua na redução da retenção hídrica e na prevenção de doenças, e em antioxidantes, que impedem a ação dos radicais livres.

Devido a sua ação termogênica, o consumo de matchá aumenta em até 25% o gasto calórico durante a prática de exercícios físicos. O ideal é consumir antes de iniciar a atividade.

Pessoas que sofrem de insônia, hipertensos, gestantes, crianças e idosos só podem consumir o matchá com orientação profissional.

Beijos e até a próxima #DicadeQuarta