Bolo de caneca de coco

paleo-coconut-mug-cake-4-700x778

- INGREDIENTES
2 colheres de sopa farinha de trigo integral
2 sachês de stevia ou sucralose
1 pitada de sal
1 colher de café de fermento químico
1 ovo grande
3 colheres de sopa de leite de amêndoas
1 colher de sopa de óleo de azeite
1 colher de chá de essência de baunilha
1 colher de sopa de coco ralado em flocos.

- MODO DE PREPARO
Unte uma caneca com o azeite. Coloque os ingredientes dentro e misture tudo com um garfo. Coloque na potência alta por 2 minutos.

Beijos e Bom Final de Semana!


Os 5 exercícios que mais ajudam a emagrecer (da corrida à dança de salão)

coluna marcel-765x365
A descoberta é da Universidade Nacional de Taiwan -- 18.424 pessoas com idade entre 30 e 70 anos foram analisadas

A “fórmula do sucesso” para quem deseja perder peso e manter a perda é combinar alimentação saudável e a prática de atividade física. Isso não se discute. Mas poucos conseguem segui-la. O erro pode estar na escolha dos exercícios praticados. É o que garante o novo estudo publicado na revista PLOS Genetics.

A pesquisa mostra que alguns exercícios físicos podem ser mais eficientes para pessoas com maior tendência a engordar. No topo da lista está a corrida, com os melhores resultados na perda de peso, seguido por alpinismo (escalada), caminhada, práticas longas de ioga, e alguns tipos de dança de salão, como foxtrote e valsa.

“Nossas descobertas mostram que os efeitos genéticos nas medidas de obesidade podem ser reduzidos em vários níveis através da realização de diferentes tipos de exercício. Além disso, percebemos que os benefícios do exercício físico regular são mais impactantes em indivíduos com maior predisposição à obesidade”, explicaram os autores no estudo.

Esse não é o primeiro trabalho a mostrar que a genética pode ser superada por meio da atividade física.

As descobertas
Para chegarem a essa conclusão, os pesquisadores da Universidade Nacional de Taiwan analisaram dados de 18.424 chineses entre 30 e 70 anos. Os dados recolhidos incluíram a análise da interação entre a genética dos indivíduos e a rotina de exercícios praticados. A equipe ainda verificou cinco medidas de obesidade, incluindo índice de massa corporal (IMC), porcentual de gordura corporal e relação cintura-quadril para examinar a concentração de gordura abdominal (fator que influência também no risco cardiovascular).

Os resultados mostraram que entre as dezoito modalidades de exercício praticadas pelos participantes, seis foram capazes de atenuar os efeitos genéticos em pelo menos uma medida de obesidade. No entanto, apenas uma modalidade foi capaz de interferir em três medidas: a corrida. Isso levou os pesquisadores a concluir que esse é o melhor exercício para quem tem tendência ao ganho de peso.

Outras modalidades que se destacaram foram alpinismo, caminhada leve, caminhada intensa, ioga e dança de salão. A equipe ainda descobriu que atividades físicas populares, como natação, ciclismo, alongamento e danças baseada em jogos (como just dance) não modificam efeitos genéticos. Apesar do resultado, especialistas destacam que atividades aeróbicas, como corrida, precisam ser intercaladas com exercícios de força, como musculação, para fortalecer os músculos e preservar a massa magra e a perda de peso a longo prazo.

Qualquer que seja a sua escolha, vale lembrar que a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda praticar pelo menos 150 minutos de exercício físico por semana (o equivalente a meia hora por dia, cinco dias por semana).

(Fonte: Veja) 


Veja 10 dicas para ter uma alimentação saudável e incluir mais proteína no dia-a-dia

saudee

Ter uma alimentação saudável e balanceada é fundamental para que o corpo funcione de forma equilibrada. Os carboidratos e as proteínas são dois elementos básicos e necessários para a saúde humana e eles devem estar presentes no prato todos os dias.

Dica 1: Não se concentre na perda de peso, mas em uma dieta saudável
As pessoas não devem se concentrar apenas no peso corporal, mas na saúde. Comer de forma equilibrada e ter um estilo de vida ativo é a melhor maneira de obter uma composição corporal saudável. Mantenha seu foco em alimentos com boa densidade nutricional e se exercite para construir e manter sua massa muscular.

Dica 2: Incorpore lanches saudáveis
Os lanches contribuem com cerca de um terço da energia diária e são parte importante de uma dieta equilibrada. Se tiverem alto teor de proteína, ainda podem ajudar na saciedade e permitir maior controle na quantidade para a próxima refeição. Por isso, incorpore lanches saudáveis ​​no seu dia, como uma barra de proteína, um shake com alto teor desse nutriente ou iogurte, por exemplo.

Dica 3: não seja vítima de dietas da moda
As dietas da moda podem fazer perder peso temporariamente, mas não são uma maneira saudável de emagrecer, pois há um risco de perder parte da sua massa muscular e não da gordura. Por isso, lembre-se que o objetivo não deve ser apenas perder peso, mas mudar seu estilo de vida para sempre com uma dieta saudável e equilibrada e atividade física.

Dica 4: Certifique-se de consumir proteína suficiente
A proteína é um nutriente essencial e indispensável para construir e manter a massa muscular. Além disso, ajuda no controle da fome, desempenhando um papel importante no controle de peso. Portanto, inclua quantidades de proteína adequadas nas refeições e nos lanches, como shakes de proteína, barras ou acrescente proteína em pó, como a da soja, em saladas de frutas e smoothies, por exemplo. Os shakes com alto teor de proteína também podem ser usados como base de receitas proteicas deliciosas (muffins, waffles e pudins, por exemplo).

Dica 5: Defina e celebre marcos em sua jornada de perda de peso
Ter pequenas metas alcançadas durante a perda de peso e celebrá-las vai manter você mais motivado em chegar no objetivo final. Quando se trata de perda de peso, um ritmo lento e constante é sempre mais saudável, mas pode ser frustrante às vezes. Portanto, encontre maneiras de se recompensar ao longo do caminho - você pode querer comprar uma nova peça de roupa ou fazer uma massagem. Lembre-se, você merece depois de todo o seu trabalho duro.

Dica 6: Não corte calorias demais, nem pule as refeições
Dieta não é sobre o quanto você come, mas o que você come e o que você deixa de comer, já que a escolha do alimento impacta não apenas na ingestão de calorias, mas também, nos nutrientes a serem ingeridos. Dietas extremamente baixas em calorias podem desacelerar o metabolismo e inibir a perda de peso, impedindo o sucesso da dieta. Além disso, uma alimentação pouco diversificada não oferece ao organismo todos os nutrientes necessários para a manutenção de uma boa saúde. Por isso, é importante pensar além das calorias e incluir no dia a dia, diferentes fontes de alimentos que oferecem nutrientes importantes, como as frutas e verduras. De forma geral, é recomendado o consumo de 3 porções de frutas ao dia, o que equivale a 1 unidade média de banana, 1 maçã e 10 unidades de morango e, três porções de verduras, que pode ser atingido consumindo 1 cenoura crua pequena,1 concha de quiabo cozido e 2 colheres de servir de abobrinha cozida, ao longo do dia. Procure variar entre as opções escolhidas e aproveite os alimentos de época, costumam ser mais baratos e saborosos.

Um dos benefícios do exercício regular é que ele ajuda a queimar calorias, contribuindo com a perda e a manutenção do peso. A atividade física também pode ajudar a reduzir o estresse, é importante na prevenção da perda funcional que ocorre com o envelhecimento, na redução do risco de quedas e fraturas, tem vários benefícios para a saúde cardiovascular e na prevenção do câncer, por exemplo. Por isso, avalie maneiras de incluí-la no seu dia, e crie oportunidades para se manter ativo. Por exemplo, saia do metrô ou do ônibus por duas ou três paradas antes do seu destino final e caminhe até o seu destino.

Dica 8: Aprenda a preparar refeições rápidas e saudáveis
Planejar com antecedência as suas refeições ajudará a determinar quais ingredientes você precisa ter na geladeira, no freezer e na despensa para preparar refeições rápidas e saudáveis. Congelar os alimentos que requerem maior tempo de cozimento já prontos, como feijão e grãos integrais, pode ser uma boa saída. Já os legumes e verduras podem ser conservados lavados e secos para uso durante a semana.

Dica 9: Aprenda a controlar as porções
Se você aprender a limitar a quantidade de alimentos, conseguirá reduzir sua ingestão total de calorias. Nesse caso, tente usar pratos e copos menores ou limitar a quantidade de comida usando a colher de sopa como medida.

Dica 10: Aprenda a ler os rótulos dos alimentos
Saber exatamente o que você come e bebe é importante quando você está de olho no seu peso. Por isso, aprender a ler os rótulos dos alimentos te dará uma ideia sobre as quantidades de calorias, teor de nutrientes e também o tamanho da porção. E você conseguirá fazer escolhas mais saudáveis.

(Fonte: IBahia) 


Açúcar ou adoçante? Entenda por que evitar o consumo excessivo dos dois

download

Não é só porque a segunda opção tem menos calorias que o açúcar que ela é saudável, viu?

Açúcar ou adoçante? Todo mundo já ouviu essa pergunta pelo menos uma vez na vida. E muita gente geralmente escolhe a segunda opção por imaginar que é mais saudável, o que pode não ser verdade.

Ou seja, ao optar por ele, você realmente vai estar consumindo menos calorias do que estaria com o açúcar. Mas isso não significa que o adoçante é o grande herói da sua dieta.

Portanto, pode até ser que a substância ajude pessoas que precisam focar em dietas com restrição de açúcar. Mas é preciso ficar atenta ao consumo excessivo. Ter um acompanhamento profissional e substituir, sempre que puder, alimentos que precisam ser adoçados por coisas mais naturais (frutas e verduras!), são hábitos mais indicados.

E estudos recentes apontam que o exagero no adoçante pode não ser a melhor opção até para diabéticos. Isso porque ele foi relacionado com a resistência insulínica, uma vez que estimula a produção de hormônios que desregulam a quantidade de açúcar no sangue.

Existem diferenças até no tipo deles. Os naturais, como estévia e xylitol, são feitos com raízes de plantas, vegetais e cogumelos. E são os mais recomendados. Já os artificiais são produzidos por meio de processos químicos. Alguns exemplos deles são o ciclamato, acessulfame de potássio, aspartame e sacarina.

Quando você for ler o rótulo de algum produto, preste atenção se ele contém: sacarose, sorbitol, eritritol, maltitol, sacarina ou sucralose. Eles também são adoçantes, que muitas vezes passam despercebidos por quem não conhece.

Estévia
Feito da stevia rebaudiana, uma planta nativa da América do Sul. Ou ainda da beterraba, cana de açúcar ou frutas.

Xylitol
Encontrado nas fibras de muitos vegetais. Incluindo milho, framboesa e ameixa. Também pode ser extraído de alguns tipos de cogumelo.

Sucralose
Sacarose quimicamente modificada, onde o cloro é um dos seus componentes. Sendo assim, pessoas com distúrbios nos hormônios ligados a tireóide devem evitar esse adoçante.

Aspartame
É uma combinação de fenilalanina e ácido aspártico, possui alto índice de reações alérgicas e está associado a dores de cabeça.

Ciclamato de sódio
Derivado do petróleo, ele possui alto teor de sódio, como o próprio nome já indica. Logo, não é indicado para hipertensos.

(Boa Forma/Adaptada)